Intercâmbio em Vancouver: a experiência de Natália

 -  -  8


Uma viagem em família fez com que a cearense Natália se apaixonasse por Vancouver e voltasse à cidade pouco depois para estudar inglês. Recém-chegada do Canadá, ela nos contou como foi sua experiência de intercâmbio em Vancouver.

Entre agosto e outubro deste ano, Natália Pontes, 25 anos, teve a chance de viver a rotina de Vancouver como uma moradora da cidade. Ela viajou através da Scool e estudou na escolha The Language Gallery, aulas intensivas das 8h às 14h30 de segunda a sexta-feira.

Leia também:
Vancouver ou Toronto: onde fazer intercâmbio?
Intercâmbio no Canadá ou Estados Unidos: qual escolher?
5 razões para estudar em Vancouver

Quer saber como é fazer intercâmbio nessa charmosa cidade canadense? Com a palavra, Natália:

Como é fazer intercâmbio em Vancouver

Por que você escolheu fazer intercâmbio em Vancouver?

Viajei pra lá no ano passado nas férias e gostei muito da cidade. Para começar, ela é linda, tem muita natureza e o sistema de transporte público funciona muito bem. A qualidade de vida em Vancouver é excelente.

Além disso, a cidade recebe muitos imigrantes, o que me parece super interessante porque nos permite viver diversas culturas.

Eu queria vivenciar esse estilo de vida em uma experiência mais imersiva do que de um turista que está só de passagem.

O que achou da escola?

A The Language Gallery Vancouver não é das maiores ou mais conhecidas. Ela não tem tanta estrutura quanto as escolas grandes, como cantina e outros serviços extras. Se fosse ficar mais tempo, talvez escolhesse outra instituição.

No entanto, achei a localização excelente e o custo-benefício é muito bom. Alguns professores eram melhores que outros, mas deu para sentir uma evolução boa no meu aprendizado do idioma.

Você morou em que tipo de acomodação?

Fiquei hospedada com amigos brasileiros que moram lá, então não tive que contratar acomodação.

Você achou que tem muitos brasileiros em Vancouver?

Tem bastante, mas eu esperava muito mais. Sempre escutava as pessoas falando português na rua, mas era fácil conviver com pessoas de diferentes culturas. Acredito que tem muito mais asiáticos do que brasileiros, por exemplo.

Na escola, eles tinham a preocupação de mesclar várias nacionalidades em cada turma. Estudei com asiáticos, árabes, europeus. Foi uma experiência muito legal, porque você só conhece mesmo outras culturas quando convive com as pessoas de lá.

Como foi a adaptação à cultura local?

Vancouver tem uma miscigenação muito grande, então a cultura local acaba sendo uma mistura de várias influências. Não me senti constrangida por ser estrangeira em nenhum momento; tinha aquela sensação de que está todo mundo “no mesmo barco”.

Além disso, gostei muito do estilo de vida deles. As pessoas adoram a natureza e muitos dos passeios são ao ar livre, tipo ir pra o parque, andar de bicicleta, fazer piquenique. Quando não estava estudando, costumava fazer o tipo de atividade que eles fazem por lá e adorei.

Como estava o clima no período?

Meu intercâmbio em Vancouver durou entre o final do verão e começo do outono. Consegui curtir o calor e o friozinho, sem pegar um período frio demais. A temperatura mínima no período em que estive foi uns 8 graus.

Também foi muito bom porque vi a transição das estações, algo que não temos por aqui. Quando cheguei, o sol estava se pondo às 21h30, e quando saí, às 18h30. Foi bem bacana ver essa transição.

O que achou do custo de vida em Vancouver?

Achei até razoáveis. Era fácil usar transporte público pra ir a todos os lugares. Em relação à alimentação, não dá pra querer converter e comparar com o Brasil, até porque o poder de compra dos locais é outro. Mas indo ao supermercado eu gastava cerca de 50 dólares por semana.

E eram comidas de qualidade: eu via a preocupação das pessoas em comer comidas saudáveis. Sempre encontrava orgânicos, por exemplo.

E a vida noturna?

Muito animada, mas termina relativamente cedo, porque a maioria das pessoas volta pra casa quando o transporte público para de funcionar. No fim de semana, no entanto, os bares e festas duravam um pouco mais.

Tem uma avenida com muitos bares, vários deles temáticos. Alguns começam como bar e depois viram boate e quase todos têm promoções de happy hour. É uma atmosfera bem badalada e tem metrô pertinho, então é bem fácil curtir a noite.

Você recomendaria um intercâmbio em Vancouver?

Com certeza! Às vezes a gente fica com receio antes de viver uma experiência assim, mas chegando lá vê como é incrível. O Canadá tá de portas abertas pra receber pessoas de qualquer cultura e acho isso sensacional.

Além disso, você encontra em Vancouver e outras partes do país muitas belezas naturais que não tem em todo lugar. Às vezes eu tirava uma foto e meus amigos e família no Brasil pensavam que eu tinha pego na internet, de tão lindas que eram as paisagens. É uma viagem que vale muito a pena.

Faria algo diferente se pudesse ter essa experiência de novo?

Acho que me esforçaria pra falar mais inglês, porque conhecendo alguns brasileiros às vezes a gente cai no comodismo de falar no nosso idioma. Mas foi um intercâmbio incrível! Tentei aproveitar cada minuto e conhecer tudo.

Obrigada pelo depoimento, Natália! Você ainda tem dúvidas sobre como é fazer intercâmbio em Vancouver? Pergunte nos comentários ou procure um dos consultores especializados da Scool. Você também pode fazer seu orçamento online sem compromisso.

Gostou desta matéria?
Inscreva-se hoje e receba novas matérias diretamente na sua caixa de entrada.
8 recommended
comments icon 0 comments
0 notes
185 views
bookmark icon

Write a comment...

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *